Encuentro Transfronterizo de Profesionales de Museos – Encontro Transfronteiriço de Profissionais de Museus

Museos y Accesibilidad – Museus e Acessibilidades

Programa

Este ano o Encontro irá durar quatro dias, entre 22 e 25 de novembro. Este evento é dividido em vários formatos.  A reunião isso será feito numa plataforma Moodle, que possibilita a participação de todos. Nas conferências, serão apresentados videos dos especialistas, abertos ao público dentro do horário estabelecido.

Serão criados espaços de debate em que os participantes, assim como o público, poderão intervir e comunicar entre si, durante os períodos definidos para esse fim. Espera-se que sirva como uma mesa redonda.
Por fim, será disponibilizado um espaço para os profissionais do setor museológico que queiram contribuir com suas experiências profissionais. Será a oportunidade de apresentar seus projetos, recebendo um certificado de participação.
A estes três espaços, acrescenta-se a “galeria de especialistas”, porventura o elemento mais importante deste encontro. Aquí, todos os participantes poderão ter um espaço pessoal para divulgar as suas experiências.

Programa:
* Quinta-feira 22
Apresentação e boas vindas pela organização.
Acesso às comunicações dos participantes
Registro de participantes na “galeria de especialistas”

* Sexta-feira 23
Vamos começar o dia com o Block I: Acesso Digital.

CONFERÊNCIAS
Acesso digital: os ambientes web, a digitalização do património, novos trabalhos em realidade virtual, bem como o uso de aplicações móveis para facilitar a experiência do museu.

Ana Álvarez Lacambra – Museu Thyssen Bornemisza. Madri
Museu Nacional Thyssen-Bornemisza: Acesso digital ao projeto de certificação de acessibilidade universal através da web.
O Museu obteve o certificado de Acessibilidade Universal da AENOR em 2017, certificação que ainda não é muito vulgar em museus espanhóis, pois implica não só adaptar as suas instalações, mas também os serviços prestados ao público, independentemente da idade ou das competências.
Ao entender a acessibilidade como um esforço contínuo e integrado na gestão do Museu, o outro desafio foi comunicar de forma clara e útil ao utilizador final, o progresso, para preparar a visita. Na lançamento do novo website em abril de 2017, a área da Web coordenou a nova estrutura e conteúdo da seção Acessibilidade do http://www.museothyssen.org como um projeto transversal a outras áreas implicadas (Serviços Gerais, Educação, Atenção ao Visitante, Comunicação).

Jasper Visser – VISSCH + STAM. Amsterdão
Crowdfunding um poema para surdos
25 anos atrás, Leiden foi uma das primeiras cidades da Holanda com poesia nas paredes dos edifícios. Mais de 100 poemas em mais de 30 idiomas podem ser encontrados nas ruas da cidade. Para celebrar este aniversário, o Taalmuseum Leiden desenvolveu uma estreia mundial: o primeiro poema de parede em língua gestual. Para desenvolver o poema, o museu usou uma campanha de crowdfunding, que foi um grande sucesso que envolveu mais de 130 pessoas.
Na sua palestra, o consultor internacional Jasper Visser usará este estudo de caso para partilhar uma visão mais ampla de como a tecnologia pode ser usada para tornar os museus e suas coleções mais acessíveis a mais pessoas.

Jara Díaz Alberola – Museu Lázaro Galdiano. Madri
Felicitas Sisinni– Museu Nacional Thyssen-Bornemisza
ARCHES, um projeto participativo para tornar os museus mais acessíveis
O projecto europeu ARCHES (Recursos Acessíveis para os Ecossistemas do Património Cultural) procura tornar os museus acessíveis através de uma metodologia de investigação participativa e do desenvolvimento de tecnologia acessível. Faz parte do Programa Horizonte 2020 da União Europeia e envolve um total de 13 organizações (universidades, museus e empresas de tecnologia). A pesquisa, na qual participam pessoas com deficiências sensoriais e / ou cognitivas, coloca as necessidades reais do usuário no centro do processo.

Pedro Pereira – Responsável pelas áreas de criatividade e gestão do byAR Aumentar a sua Realidade
Museu Mercado de Escravos, Município de Lagos
As limitações do prédio onde o museu está localizado foi a oportunidade de usar tecnologias de Realidade Aumentada e Virtual para criar um espaço mais acessível para todos. Com realidade aumentada, ajuda a entender o tema do museu e, com a realidade virtual, permite visitar virtualmente o Piso 1. O Piso 1 não é acessível para pessoas em cadeira de rodas.

FÓRUM com os oradores (tempo a ser acordado)
ABRIR FÓRUM com os participantes que enviaram comunicações.

*Sábado 24
Continuaremos, dando lugar ao Bloco II: Tecnologia Assistiva.
Conferências dedicadas à tecnologia assistencial, em que a tecnologia é colocada ao serviço das pessoas com deficiência. Serão privilegiados projectos em que a tecnologia é fundamental para a pessoa deficiência ter pleno acesso à cultura e, especificamente, aos museus. São exemplos, auxiliares de leitura, guias adaptados, bem como outros dispositivos que favorecem a visita e a experiência ao museu.

Albert Sierra Reguera– Departamento de Cultura da Generalitat de Catalunya.
A Realidade Virtual, uma ferramenta de comunicação para diversos públicos. O caso de Ullastret3D.
Nos últimos anos, temos visto o crescimento de uma tecnologia que prometia ser disruptiva: Realidade Virtual. Sua evolução tem sido muito rápida, mas sua aplicação à comunicação do patrimônio tem sido apenas pontual. É uma tecnologia complexa, que pode ser muito cara, mas tem algumas vantagens que a tornam uma ferramenta única para alguns casos específicos. Quando um dispositivo de qualidade (Oculus Rift, HTC Vive) visão, audição e até tocar ou movimento são absorvidos pela realidade virtual é usado, fazendo com que um sentido de presen noutro mundo particularmente convincente. Esta qualidade imersiva inatingíveis por outros meios, nos permite pensar em aplicações que colocam ao alcance de presença pública em diversos ambientes para visitar impossível de outra forma. Ullastret3D por exemplo nos permite visitar a cidade ibérica como era há 2000 anos atrás. E permite que as pessoas neste mundo virtual andem e não possam fazê-lo no mundo real.

A implementação destas soluções em museus requer uma avaliação cuidada, de forma a poder integrá-las no projeto geral e não comprometer a sua sustentabilidade. Com alguma sensibilidade e planeamento, bem como o envolvimento de equipas multidisciplinares, é possível criar experiências de visita relevantes e adequadas a públicos com diferentes necessidades.

André Coelho- Realizasom
Para mim, para ti, para todos! – Informação acessível e tecnologias inclusivas nos museus
Vivemos hoje em dia rodeados de tecnologia. Para o bem e para o mal é uma constatação à qual não podemos fugir.
Dos tradicionais áudio guias às APPs e à gamificação disponíveis nos dispositivos dos próprios visitantes, existe uma grande variedade de ferramentas móveis de interpretação.
A implementação destas soluções em museus requer uma avaliação cuidada, de forma a poder integrá-las no projeto geral e não comprometer a sua sustentabilidade. Com alguma sensibilidade e planeamento, bem como o envolvimento de equipas multidisciplinares, é possível criar experiências de visita relevantes e adequadas a públicos com diferentes necessidades.

Eva Llamazares Projeto “Acessibilidade 360º – Museus Nacionais Acessíveis da Argentina”
Acessibilidade em museus. O equilíbrio tecnológico e a experiência direta.
O museu real e o museu virtual, o acesso ao conteúdo como mais um passo para garantir os direitos de todas as pessoas. Os dispositivos e estratégias que podem garantir aos visitantes uma visita personalizada, com acesso real ao património e design universal. Reflete sobre as características de cada espaço cultural, com a flexibilidade necessária para fazer as adaptações para todos os públicos.

Margarita León- Museu Nacional da Colômbia
Estações acessíveis e atividades educativas inclusivas no Museu Nacional da Colômbia.
Este artigo aborda o processo de concepção e implementação de estações acessíveis destinadas a diversos públicos. Da mesma forma, torna visíveis os processos de criação de atividades educacionais multissensoriais como estratégia para articular dispositivos museográficos e material educomunicativo às experiências de todo o público do Museu Nacional da Colômbia.
FÓRUM com os oradores (tempo a ser acordado)
ABRIR FÓRUM com os participantes que enviaram comunicações.

* Domingo 25
Sessão de encerramento: Propostas e conclusões.
Concluímos o VII Encontro Transfronteiriço de Profissionais de Museus: Museus e acessibilidade, agradecendo a colaboração e participação de todos os participantes, palestrantes e instituições com as quais ele colaborou.
A chamada para o e-newsletter da AMMA, a ser apresentada no mês de fevereiro de 2019, é aberta com as contribuições de todos os participantes para a reunião.
Acesso a documentos, comunicações e galeria de especialistas.
Despedida
* ESTE PROGRAMA PODE SER MODIFICADO

logos copia

Anuncios
A %d blogueros les gusta esto: